A água do mar do oceano global começou a tornar-se mais ácida, gradualmente, desde o início da Revolução Industrial. Da mesma forma que o aquecimento global, este processo, conhecido como acidificação dos oceanos, é resultado direto do aumento na atmosfera da concentração de dióxido de carbono (CO2) resultante das atividades humanas. Atualmente, reporta-se um aumento na acidez da água do mar de aproximadamente 30%. As previsões atuais indicam que os oceanos continuarão a absorver CO2 no futuro, tornando as águas ainda mais ácidas.

O processo de acidificação pode afetar diversos organismos marinhos e em diferentes graus. Os organismos mais vulneráveis são aqueles que constroem suas conchas e esqueletos com carbonato de cálcio (CaCO3), tais como, corais, ostras, mariscos, mexilhões, e algas calcárias. Além disso, são previstos impactos da acidificação também em outros níveis de organização biológica, tais como, nas populações, comunidades e ecossistemas marinhos. Setores socioeconômicos, que dependem dos serviços fornecidos pelos ecossistemas costeiros e oceânicos, também são vulneráveis aos impactos da alteração do pH no ambiente.

.